segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Movimentando-se

.

O elevador aos poucos ia se movimentando em baixa velocidade, quase que parando, até o destino assim desejado. O ambiente, que na madrugada, de tão quieto que se encontrava podia-se ouvir a respiração ofegante de um fumante compulsivo e sedentário. Naquele momento temia que o elevador parasse em qualquer andar que não fosse o seu, se baseando em algum roteiro de filme de terror, olhava fixamente, janela por janela passando. Oferecendo-lhe alguns cigarros e trocando histórias pela madrugada o porteiro da noite liberava a chave da cobertura. Um gesto um tanto que amigo para quem estava precisando.

Abria a porta e enfim estava em um espaço, parecendo que reservado, só dele. Alguns metros quadrados a exatamente treze andares das pessoas que caminhavam na rua, cercado por grades um tanto que peculiar. Estava preso assim como suas idéias. O vento que tocava suavemente seu rosto gélido contrariava a idéia do “estar preso”, dizia que enfim podia tentar novamente. Agora se colocando em posição de elogios, ao qual almejava, quase que gritando dentro de si, para que os outros enfim escutassem.

Em uma sequencia de passos firmes chegou à beirada e olhou o mar de luzes na sua frente. Diferente de Amélie Poulain, não imaginava quantas pessoas estavam tendo orgasmo naquele momento, e sim quantas pessoas estariam no alto de um prédio pensando quantas pessoas estariam também no alto de um prédio, fazendo exatamente a mesma pergunta que ele.

Insônia. Que te abandonara enfim o bom filho a casa torna. Em uma tentativa frustrante de acender um cigarro no alto de um prédio, com fósforos, o fez repensar o quão difícil é a vida. Exigente com tantos mortais, cobrando de tantas pessoas boas e beneficiando tantas outras ruins.

Havia garoado um dia antes e a poluição tinha se propagado, deixando amostra algumas tímidas estrelas para ele poder olhar, talvez sem razão, para elas. Pensou em anjos, cometas, aviões, OVNIS, pássaros, "Wild Horses” do Rolling Stones, na lua, nela, ou qualquer coisa do gênero que se pode lembrar quando se olha para o céu, em uma madrugada de inverno.

O celular um tanto que inquieto o fazia pensar que sua companhia não andava muito requisitada. Pudera, estava sentando na madrugada de sábado para domingo na cobertura de um prédio quieto e consolador.
Pequena história de um grande homem que não entende seu presente, pois o tema de seu romance é escrito com seis letras. Com a ponta de cada um dos cinco dedos conseguia tocar com cautela o mundo naquele momento. Tocou, o agarrou e puxou para si.

Estava para amanhecer, não arriscou para esperar o nascer do sol. Deixou uma parte de si lá, como deixa uma em cada lembrança. Com cautela, sem ao menos ninguém notar, estava aos poucos se transformando de adjetivo para metonímia.

Um comentário:

Dani F. disse...

Lindo texto, parabéns!